UPA de Santa Maria da Vitória pode ser fechada

12 AGO 2015
12 de Agosto de 2015
O prefeito afirma que sem a ajuda do Estado, o município não tem condição de garantir o funcionamento da UPA de Santa Maria da Vitória.

O prefeito afirma que sem a ajuda do Estado, o município não tem condição de garantir o funcionamento da UPA de Santa Maria da Vitória.

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Santa Maria da Vitória (BA) corre o risco de ser fechada por falta de dinheiro para manter o funcionamento da unidade. É isso mesmo, a afirmação foi do prefeito Padre Amario dos Santos Santana (PT) em reunião com o secretário de Relações Institucionais da Bahia, Josias Gomes. No encontro, realizado nesta segunda-feira (11), o prefeito solicitou o apoio financeiro mensal do governo estadual para assegurar a manutenção dos serviços da UPA na cidade.

Padre Amario foi incisivo ao afirmar que a UPA pode ser fechada por falta de recursos. “Em última instância se não recebermos a contribuição do Estado seremos obrigados a pedir o descredenciamento e a desativação da UPA 24h”, informou o prefeito.

matutar-prefeito-santa-maria-upa-foto2-serin-12082015

A reunião foi realizada na sede da Secretaria de Relações Institucionais da Bahia.

Segundo informações do próprio prefeito, a prefeitura tem um gasto mensal de R$ 340 mil para manter o funcionamento da unidade de saúde, mas só recebe R$ 170 mil do Ministério da Saúde, ficando os outros R$ 170 mil por contra do município. Padre Amario afirma que além dos 50% recebidos do da União, o Estado teria que contribuir com 25% e a prefeitura com o restante. Mas sem a contrapartida do Estado, a prefeitura está pagando R$ 75 mil a mais todo mês. “A contribuição da Bahia é fundamental para darmos continuidade ao bom atendimento aos moradores da cidade e dos municípios vizinhos”, afirmou o prefeito.

A falta de dinheiro para manter o funcionamento da UPA de Santa Maria da Vitória foi justificada pelo prefeito. Ele explicou que o Sistema de Saúde Municipal é composto pela UPA, Hospital Municipal José Borba e 10 Postos de Saúde da Família (PSF). Além dos profissionais contratados, 5 médicos cubanos trabalham no município – três mantidos pelo governo federal e os outros dois pela própria prefeitura.

Vamos matutar?

A situação não só na UPA como em todas as unidades de saúde de Santa Maria é grave. Os médicos e profissionais de saúde estão fazendo o possível para atender bem a população, mas sem material e insumos de saúde básicos fica impossível. Quem procurou a UPA no último final de semana foi surpreendido pela informação que não tem soro fisiológico na unidade, a pequena reserva que ainda resta está sendo guardada para casos de extrema urgência. Há informação, inclusive, que o Ministério Público está investigando várias irregularidades na UPA. A denúncia teria sido feita pelos próprios profissionais de saúde do município.

Outra informação que causa bastante estranheza é a afirmação do prefeito Padre Amario dos Santos Santana de que por causa de R$ 75 mil mensais, a prefeitura pode fechar a UPA. Esse valor só pode está errado, na certa existem outras despesas incluídas no pedido feito ao secretário Josias Gomes. Não é possível que o município ameace fechar a UPA por causa de 75 mil.

Vamos acompanhar a situação da UPA de Santa Maria. Se você tiver alguma informação, como fotos, vídeos ou qualquer outro dado, mande para gente. Nosso papel é fortalecer a cidadania, e isso só conseguimos fazer com informação de qualidade.

Fonte: Ascom da Serin/BA

Voltar